terça-feira, 9 de julho de 2019

ESCÂNDALO OU TRADIÇÃO: 176 MILHÕES DE HECTARES GRILADOS!?

JÁ SE SABIA, MAS FALTAVAM COMPROVAÇÕES. A GRANDE PROPRIEDADE NO BRASIL NASCE DA GRILAGEM. AS PROPRIEDADES PRIVADAS QUE OCUPAM 176 MILHÕES DE HECTARES ESTÃO EM TERRAS PÚBLICAS...

TIREM SUAS CONCLUSÕES. MAS COMPREENDAM A NECESSIDADE DE LUTA POPULAR PELA TERRA, E DA DENÚNCIA DA GRILAGEM COMO CRIME CONTRA O POVO BRASILEIRO E CONTRA A MÃE TERRA.

OUTRAS PALAVRAS, 8 de julho de 2019

Brasil tem 176 milhões de hectares de propriedades privadas dentro de terras públicas

In De Olho no Agronegócio, Em destaque, Latifundiários, Principal, Últimas
 
Área com sobreposição, 20% do território brasileiro, é maior do que o Irã, por sua vez maior que a área do Amazonas; levantamento foi feito pelo Imaflora, a partir da sobreposição de dezoito bases de dados públicos

Por Leonardo Fuhrmann


Um levantamento feito pelo Imaflora mostra que existem no Brasil 176 milhões de hectares de propriedades privadas dentro de áreas públicas. Este total é maior do que a área do Amazonas e de um país como o Irã. O dado é uma das conclusões do cruzamento de informações de 18 bases de dados públicos. O trabalho compilou levantamentos do Incra, Ibama, IBGE, Funai, CAR, entre outros.

O intuito principal do Imaflora é modelar o Código Florestal, mas o Atlas da Agropecuária Brasileira trouxe mais conclusões, como a de que não há dados de propriedade de um sexto do território nacional. No total, o Brasil tem 850 milhões de hectares. Desse total, há informações imprecisas sobre 354 milhões de hectares. As sobreposições entre duas terras privadas representam apenas 2% do problema e há 48% de sobreposições entre dois territórios públicos.
Atlas permite busca por municípios. (Imagem: Imaflora)
As propriedades privadas dentro de áreas públicas estão em diversas regiões do país, mas a concentração maior é na Amazônia. Além de terras devolutas, ainda sem uma utilização prevista, existem ocupações registradas em reservas florestais e territórios indígenas e quilombolas. Um dos autores do artigo, o professor Gerd Sparovek, do Geolab da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-USP), utilizava a palavra grilagem para analisar o tema:

– Excetuando-se alguns problemas técnicos entre as bases de dados, as sobreposições de terras públicas com privadas ou de terra privadas entre si podem estar associadas a graves problemas fundiários, como grilagem de terras e corrupção de cartórios no registro da propriedade, entre outras causas associadas a conflitos ou ausência de governança adequada da gestão fundiária.

O estudo também mostra o alto grau de concentração de terras no país: 22% do território nacional é formado por latifúndios. São 182 milhões de hectares. Todas as terras indígenas e quilombolas somam 115 milhões de hectares, 13,6% do total. As unidades de conservação, 11% do território, somam 93 milhões de hectares. Os assentamentos de reforma agrária representam apenas 5%, com 41 milhões de hectares.

Claudia Azevedo-Ramos, pesquisadora do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA/UFPA) e co-autora do artigo, disse ao Imaflora que os dados demonstram a grande concentração de terras no Brasil e a apropriação de terras públicas, que pertencem a todos os brasileiros.

https://deolhonosruralistas.com.br/2019/07/02/brasil-tem-176-milhoes-de-hectares-de-propriedades-privadas-dentro-de-terras-publicas/?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=8_7_poulantzas_filosofo_do_socialismo_democratico_futeboleiras_corpos_controlados_e_resistencia_o_grande_assalto_as_terras_publicas_quem_ganha_com_a_desintegracao_da_petrobras&utm_term=2019-07-09 

sexta-feira, 5 de julho de 2019

SEM DIREITOS DA NATUREZA NÃO HÁ PLENOS DIREITOS HUMANOS

COMO NA CONQUISTA DE TODOS OS DIREITOS HUMANOS, TAMBÉM OS DIREITOS DA NATUREZA PASSAM POR QUESTIONAMENTOS, LUTAS PARA INVIABILIZÁ-LOS. MAS O TEMPO DE SEU RECONHECIMENTO JÁ COMEÇOU. E É BOM QUE AVANCE MAIS RAPIDAMENRECONHECERTE PORQUE, SEM ELES, NEM OS DIREITOS HUMANOS SE CONSOLIDAM PARA VALER.

CONTRARIANDO O MATERIALISMO QUE DOMINA A VISÃO E AS RELAÇÕES DE MUITOS CATÓLICOS, E ATÉ MEMBROS DA HIERARQUIA, COM A TERRA, O PAPA FRANCISCO AVANÇA NA AFIRMAÇÃO DE QUE OS SERES HUMANOS SÃO NATUREZA E FAZEM PARTE DO CONJUNTO DOS SERES DA TERRA. E ELE DESENVOLVE, A PARTIR DAÍ, UMA NOVA ESPIRITUALIDADE, FRUTO DA CONVERSÃO ECOLÓGICA, E QUE SE CONSOLIDA PELA VIVÊNCIA DA ECOLOGIA INTEGRAL. 

RECONHECER, PROMOVER E DEFENDER OS DIREITOS DA NATUREZA NOS FAZ MAIS HUMANOS, E FAZ A NATUREZA TER SEU STATUS DE SER VIVO E FONTE DE VIDA FINALMENTE RECONHECIDO PELA CULTURA OCIDENTAL, UMA VEZ QUE OS POVOS DE LONGA HISTÓRIA, ORIGINÁRIOS, COM ELA SE RELACIONA COMO MÃE TERRA, PAI SOL, MARAVILHOSO UNIVERSO.

Sin Derechos de la Naturaleza no hay plenos Derechos Humanos


Alberto Acosta
 

Economista ecuatoriano. Profesor universitario. Exministro de Energía y Minas. Expresidente de la Asamblea Constituyente. Autor de varios libros. Correo: alacosta48@yahoo.com

Romper las tradiciones puede ser más complejo que saltar sobre la sombra de uno. Aceptar a la Naturaleza como sujeto de derechos recae en tales complejidades. Se tolera reconocer derechos casi humanos a personas jurídicas, pero no a la vida no humana.

            A lo largo de la historia, cada ampliación de derechos fue antes impensable. La emancipación de los esclavos o la extensión de los derechos a los afroamericanos, a las mujeres y a los niños y niñas fueron rechazadas por considerarse absurdas. Incluso la aceptación de los Derechos Humanos ha demandado y demanda aún una permanente lucha. En suma, el reconocimiento  del “derecho a tener derechos” se ha conseguido siempre con luchas políticas para cambiar aquellas visiones, costumbres y leyes que negaban esos derechos; luchas que devienen en fuente pedagógica potente que exigen claridad conceptual y voluntad de cambio.

Así emerge, con fuerza, el desafío transformador de reconocer los Derechos de la Naturaleza, pasando de un mero enfoque antropocéntrico a uno socio-biocéntrico que reconozca la indivisibilidad e interdependencia de todas las formas de vida y que, además, mantenga la fuerza de las obligaciones y normas propias de los Derechos Humanos. El fin es fortalecer y ampliar el régimen de los Derechos Humanos, complementándolos y profundizándolos con nuevas generaciones de derechos, en este caso los Derechos de la Naturaleza, como parte de la permanente emancipación de los pueblos.

El disfrute de los Derechos Humanos no puede separarse de un medio ambiente sano. La degradación ambiental induce a graves violaciones de los Derechos Humanos, del derecho a la salud, comida, agua, vivienda, trabajo. Por ejemplo, la expansión de la frontera extractivista atropella a personas y comunidades que defienden la tierra y el medio ambiente, afectando cuerpos, subjetividades y territorios. Los más afectados son los Guardianes de la Madre Tierra, sobre todo los pueblos indígenas que viven en una interdependencia indisoluble con la Naturaleza y reconocen en su vida el valor intrínseco de la Madre Tierra.

Una importante opinión de la Corte Interamericana de Derechos Humanos confirma explícitamente la relación intrínseca entre el disfrute de los Derechos de Humanos y un medio ambiente sano y va más allá al especificar que “el derecho a un medio ambiente sano como derecho autónomo, a diferencia de otros derechos, protege componentes del medio ambiente, como bosques, ríos, mares y otros, como intereses legales en sí mismos, incluso en la falta de certeza o evidencia sobre el riesgo para las personas individuales. Se trata de proteger la naturaleza y el medio ambiente no solo por su conexión con una utilidad para el ser humano o por los efectos que su degradación podría causar sobre los derechos de otras personas, como la salud, la vida o la integridad personal, sino por su importancia para los otros organismos vivos con quienes se comparte el planeta, que también merecen protección en sí mismo”

Esto demanda fortalecer el principio de responsabilidad de los seres humanos para preservar los ciclos naturales de la Naturaleza y reconocer su relevancia. Pero hay que ir más allá. Debemos entender y aceptar, en la práctica, que los seres humanos somos Naturaleza. No podemos seguir explotándola y destruyéndola. La Naturaleza pueda existir sin seres humanos, pero nosotros no podemos vivir sin nuestra Madre Tierra. Al respecto es clara la Encíclica Laudato Si: “Nosotros mismos somos tierra. Nuestro propio cuerpo está constituido por los elementos del planeta” Y va más allá el Papa Francisco, cuando afirma que “Estamos incluidos en la Naturaleza, somos parte de ella y estamos interpenetrados.

A los Derechos de la Naturaleza se los considera como derechos ecológicos, a diferencia de los derechos ambientales, que surgen desde los Derechos Humanos. Estos derechos ecológicos buscan proteger ciclos vitales y procesos evolutivos, no sólo las especies amenazadas o las áreas naturales. Se fijan en los ecosistemas, en las colectividades, no en los individuos. La justicia ecológica pretende asegurar la persistencia y sobrevivencia de las especies y sus ecosistemas, como conjuntos, como redes de vida. Más allá de indemnizar a los humanos por el daño ambiental, busca restaurar los ecosistemas afectados. En realidad, se deben aplicar simultáneamente las dos justicias: la ambiental para las personas, y la ecológica para la Naturaleza; son justicias estructural y estratégicamente vinculadas.

El tránsito de la “Naturaleza objeto” a la “Naturaleza sujeto” ha empezado. Noción que vive en las percepciones de los pueblos indígenas desde hace mucho tiempo atrás. Incluso podemos hablar de un “derecho salvaje”, propio de la Madre Tierra. Eso sí, tenemos que destacar el gran impulso dado en la Asamblea Constituyente de Montecristi en Ecuador, cuando se constitucionalizaron por primera vez los Derechos de la Naturaleza.
 
Entendiendo que el colapso ambiental es una cuestión global, es hora de impulsar la Declaración Universal de los Derechos de la Naturaleza, desde la propuesta formulada en la Cumbre de la Tierra de Tikipaya, en Bolivia, en 2010. Igualmente urge establecer un tribunal internacional para sancionar los delitos ambientales, contra las personas y la Naturaleza como se propuso en la misma Cumbre.            

En síntesis, los Derechos de la Naturaleza no se oponen para nada a los Derechos Humanos. Es más, sin duda que ambos grupos de derechos se complementan y potencian. Pronto llegará el día para construir una declaración conjunta de derechos para la Humanidad y la Naturaleza, en tanto ambos son derechos para la vida.-
 

quinta-feira, 4 de julho de 2019

AS 15 PROPOSTAS MAIS AUDACIOSAS PARA O SÍNODO DA aMAZÔNIA



IHU, 4 de julho de 2019

Diferente dos documentos preparatórios para outros fóruns vaticanos, o Instrumentum laboris da Assembleia Especial para a Região Panamazônica do Sínodo dos bispos, que acontecerá de 6 a 27 de outubro, em Roma, foge de qualquer generalidade e aterrissa em medidas concretas e diretas para que sejam debatidas pelos padres sinodais.

A reportagem é de José Beltrán, publicada por Vida Nueva Digital, 17-06-2019. A tradução é do Cepat.

Distribuído em três partes, em todos os capítulos da segunda e terceira parte dos textos é destacada, de forma pormenorizada, uma bateria de sugestões a ser adotada pela Igreja com a finalidade de tornar realidade o convite a uma ecologia integral que acolha “o clamor da terra e dos pobres”, conforme a encíclica Laudato Si’ do Papa Francisco solicita.

Junto à midiática proposta da ordenação sacerdotal de anciãos com uma família estável, se somam outras iniciativas não menos comprometedoras para a Igreja, não só internamente, como também para uma “nova consciência ecológica” e um ativismo em matéria social, política e econômica para “desmascarar as novas formas de colonialismo presente na Amazônia”.

O documento sentencia que a Igreja é chamada a “escutar o grito da Mãe Terra, agredida e gravemente ferida pelo modelo econômico de desenvolvimento depredador e ecocida, que mata e saqueia, destrói e despeja, expulsa e descarta, pensado e imposto de fora e a serviço de poderosos interesses externos”.

Para isso, desafia os padres sinodais a “assumir sem medo a implementação da opção preferencial pelos pobres na luta dos povos indígenas, comunidades tradicionais, migrantes e jovens, para configurar a fisionomia da Igreja amazônica”.

1. Denunciar a violação aos direitos humanos e a destruição extrativista

Reiteradamente, o Instrumentum laboris enumera todas as ameaças que a Amazônia padece frente à atual “degradação neocolonialista”, que atenta tanto contra a natureza como aos que habitam nela. Frente a isto, reivindica à Igreja um compromisso permanente em denunciar “a violação aos direitos humanos e a destruição extrativista”, além de promover “linhas de ação institucionais que promovam o respeito ao meio ambiente” e programas de formação.

2. Criar uma agenda de justiça com outros movimentos sociais

Assim, considera uma urgência assumir a denúncia “contra modelos extrativistas” e projetos que danificam o território, violam os direitos das comunidades “e promovem a morte”. Para isso, faz um chamado a trabalhar em rede para “se aliar aos movimentos sociais de base, para anunciar profeticamente uma agenda de justiça”.

3. Exigir dos governos que protejam os povos indígenas isolados

O texto sai em defesa de todas as comunidades nativas, mas dedica um capítulo especial àquelas que decidiram viver à margem da sociedade. A Igreja é chamada a velar por elas, exigindo dos governos que facilitem “os recursos necessários para a proteção efetiva”, como a criação de um censo e de reservas naturais.
Além disso, pede à Igreja uma pastoral específica para estes povos que incida na formação, para que conheçam e façam reconhecer seus direitos. Assim, convoca a “rejeitar a aliança com a cultura dominante”, para promover as culturas e os direitos dos indígenas, dos pobres e do território.

4. Promover hábitos de consumo Laudato Si’

O texto destaca em vários momentos como a Igreja deve ser caracterizada na hora de promover “hábitos de comportamento, de produção e de consumo, de reciclagem e de reutilização de resíduos”. Neste sentido, propõe criar não apenas itinerários pastorais sobre ecologia integral, como também o “reconhecimento formal, por parte da Igreja particular, como ministério especial, ao agente pastoral promotor do cuidado da Casa Comum”.

5. Criar serviços de acolhida a migrantes indígenas

Conscientes do êxodo migratório em todo o continente, que também atinge os povos indígenas, o Instrumentum laboris pede uma maior coordenação para a acolhida nas Igrejas de fronteiras, nas cidades, assim como a promoção da integração, respeitando sua identidade cultural. Mais uma vez, insta a “pressionar, como comunidade eclesial, os poderes públicos” para que defendam, neste caso, os direitos dos migrantes. Nas cidades, propõe-se uma pastoral específica para os indígenas, com novas estruturas eclesiais que favoreçam a integração.

6. Uma Igreja inculturada frente ao colonialismo

O texto vaticano reflete uma Igreja que valorize e respeite as entidades culturais, o modo próprio de organização comunitária, através de uma pastoral familiar que, a partir das coordenadas da Amoris Laetitia, “acompanhe, integre e não exclua ninguém”, onde a família seja “sujeito e protagonista”.
Desta maneira, se promove uma Igreja inculturada e mais participativa, de tal maneira que se supere “qualquer clericalismo para viver a fraternidade e o serviço como valores evangélicos que animam a relação entre a autoridade e os membros da comunidade”. “Dado que ainda persiste uma mentalidade colonial e patriarcal, é necessário aprofundar um processo de conversão e reconciliação”, destaca.

7. Reconhecer a espiritualidade indígena como fonte de riqueza cristã

Valoriza “a espiritualidade indígena como fonte de riqueza para a experiência cristã” para, a partir daí, reivindicar uma catequese que considera a linguagem e sentido das narrativas das culturas locais em sintonia com as narrativas bíblicas, uma pregação homilética vinculada com a sua realidade.

8. Celebrações litúrgicas com danças indígenas e tradução da Bíblia

Nesta linha, sugere-se que as celebrações litúrgicas acolham “a própria música e dança, em línguas e com vestimentas autóctones, em comunhão com a natureza e com a comunidade”. Além disso, “pede-se para superar a rigidez de uma disciplina que exclui e distancia, por uma sensibilidade pastoral que acompanha e integra”. Por isso, reivindica-se às Conferências Episcopais que adaptem o ritual eucarístico às culturas, assim como a tradução da Bíblia às línguas originais da Amazônia.

9. Ordenação sacerdotal de anciãos com uma família estável

O Instrumentum laboris sugere que estudem “a possibilidade da ordenação sacerdotal para pessoas anciãs, preferencialmente indígenas, respeitadas e acolhidas por sua comunidade, ainda que já tenham uma família constituída e estável”. A proposta se une a uma maior responsabilidade e formação dos leigos como dinamizadores da comunidade.

10. O diaconato feminino nascerá na América?

Justamente após levar em conta a ordenação dos viri probati, o documento também abre a possibilidade de se “identificar o tipo de ministério que possa ser conferido à mulher, levando em conta o papel central que hoje desempenha na Igreja panamazônica”. A Igreja entoa um “mea culpa”, na medida em que, “no campo eclesial, a presença feminina nas comunidades nem sempre é valorizada”.

11. Por um organismo e uma “luta” para tornar o Sínodo realidade

Embora já existam organismos efetivos como a REPAM, o documento sinodal estabelece “considerar a necessidade de uma estrutura episcopal amazônica que concretize a aplicação do Sínodo”. Sendo assim, também pede a criação de “um fundo econômico de apoio à evangelização, promoção humana e ecologia integral”.

12. Criação de meios de comunicação católicos indígenas

O Instrumentum laboris deseja que a Igreja seja alto-falante dos direitos e da cultura indígena, por meio da criação de novos meios de comunicação, como emissoras radiofônicas e televisivas, o aumento da presença na internet e outros meios de comunicação de massa.

13. Formação e protocolo para evitar cair na corrupção

O Instrumentum laboris reúne as dificuldades econômicas das Igrejas da Amazônia, advertindo que se “deve prestar uma especial atenção à procedência das doações”, bem como ao objeto de seus investimentos. Por isso, reivindica às Conferências Episcopais formação e assessoramento para evitar “uma corrupção generalizada”, especialmente frente ao narcotráfico.
O documento é especialmente incisivo ao reivindicar “uma cultura da honestidade”, a formação de leigos para a liderança econômica e política, assim como acompanhar, lado a lado, os povos para evitar que sejam enganados. Nesta linha, também convida a Igreja a buscar aliados “para exigir que as empresas assumam responsabilidades sobre os impactos socioambientais de suas ações”.

14. Seminaristas integrados às comunidades

O documento reivindica a reformulação das “estruturas dos seminários para favorecer a integração dos candidatos ao sacerdócio nas comunidades”, bem como planos de formação que respondam “a uma cultura filosófica-teológica adaptada às culturas amazônicas”.

15. A necessidade de uma teologia indígena panamazônica

O Instrumentum laboris pede o aprofundamento em uma teologia indígena panamazônica. “Pede-se, por exemplo, levar em conta os mitos, tradições, símbolos, saberes, ritos e celebrações originários, que incluem as dimensões transcendentes, comunitárias e ecológicas”, aponta o documento.

http://www.ihu.unisinos.br/590572-as-15-propostas-mais-audaciosas-do-instrumentum-laboris-do-sinodo-da-amazonia 

ÁGUA: ENTREVISTA COM MARTINHO MACUXI FILHO

BELEZA: ESTA ENTREVISTA JÁ FAZ PARTE DA REDE DE COMUNICADORES POPULARES CONSTRUÍDA ATRAVÉS DO PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA E MULTIPLICADORA, PROMOVIDA PELO FÓRUM MUDANÇAS CLIMÁTICAS E JUSTIÇA SOCIAL. 

VEJAM COMO TODAS E TODOS SOMOS E PODEMOS SER MAIS COMUNICADORES POPULARES.

Entrevista com Martinho Macuxi Filho, como os indígenas Macuxi preservam a água

Martinho Macuxi de Souza Filho (arquivo pessoal)
Essa maravilhosa entrevista foi feita pela nossa participante do Processo de Formação Multiplicadora e Continuada, a comunicadora popular Neide Ribeiro dos Santos. 

Martinho Macuxi de Souza Filho,17 anos é estudante do curso Técnico em Agropecuária do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima/Campus Amajari. Ele também é Presidente do Grêmio Estudantil EDSON LUIZ. Martinho pertence a Etnia Macuxi da comunidade Indígena Maturuca localizada na fronteira do Brasil com a Venezuela e a Guiana, no município de Uiramutã, a nordeste de Roraima, sendo o município mais setentrional (ao norte) do Brasil. O lugar possui belezas naturais exuberantes e quase intactas. O jovem Macuxi é neto de Jacir José de Souza, a liderança indígena de maior prestígio na luta em favor da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, sua maior fonte de inspiração. Nesta entrevista, o jovem relatou como é a sua relação e a de seu povo com a natureza, em especial com a água.

NEIDE: Qual a água da sua infância? 

A água de minha infância são as águas de Uiramutã em especial a do Igarapé Irimi localizado na minha comunidade indígena Maturuca.

NEIDE: Quais lembranças você tem desse igarapé? 

Como o igarapé ficava perto da minha casa, o mesmo se tornou uma fonte de diversão para mim, meus primos e amigos. Lembro do dia em que estava completando 10 anos de idade. Aquele igarapé virou praticamente uma piscina cheia de crianças alegres comemorando o dom da minha vida.

NEIDE: Como você e sua comunidade se relaciona com a Natureza? 

A minha comunidade respeita acima de tudo a natureza, faz uso racional dela. Quando um pai de família vai fazer a sua plantação (Roça), a primeira coisa que se faz é consultar o líder da comunidade para ter a liberação. Assim como as demais atividades que envolvam a natureza que os membros da comunidade irão realizar. Sempre respeitando os rios, igarapés, bem como os animais.

NEIDE: Há alguma interferência nesse igarapé que você notou com o decorrer dos anos? 

Não. Sempre foi nos ensinado a preservação do nosso bem comum que é a natureza, por isso hoje o igarapé é super protegido.

NEIDE: Em meio à crise ambiental que o mundo vivencia e sendo a água um bem comum de todos. Para você qual a importância de preservar a Água? 

A água é fonte de vida. Então é de suma importância a preservação da mesma, é dela que vem todo sustento da natureza, é dela que todos os seres vivos se mantem. Hoje estamos presenciando em toda parte do mundo uma crise ambiental muito forte. Vemos muitas poluições em rios, lagos e igarapés e ainda assim a sociedade em geral não tem essa consciência de estar preservando estas fontes.
Presenciamos isso nas grandes cidades, onde a poluição é muito forte. Nas áreas indígenas há questão da mineração ilegal e isso afeta toda a parte do ecossistema, trazendo prejuízo para o mundo. Então, é de suma importância a discussão relacionada ao tema, pois é a água que sacia a nossa sede, auxilia para saciar a fome. Sem ela não há como se produzir nem manter os animais e as florestas.

NEIDE: O que tua comunidade tem feito que possa inspirar outros locais em relação a vivência ecólogica, como a agroecologia? 

A minha comunidade tem uma educação diferenciada, trabalhamos de modo sustentável. Não usamos agrotóxicos, respeitamos os ciclos da natureza, respeitamos os rios os igarapés e lagos. Desde quando nascemos na comunidade somos ensinados a ter um olhar diferente sobre a natureza. Sabemos qual árvore pode ser cortada e qual árvore não pode, qual rio pode ser usado para pescar e qual não pode, a comunidade trabalha de modo sustentável. Plantamos não para ficar rico, mas apenas para sobrevivência e de modo sustentável.

NEIDE: Por fim quando você se formar técnico agropecuário de que forma você poderá ajudar tua comunidade? 

Irei levar mais conhecimento para a comunidade, trabalhando mais com produção de forma agroecológica, introduzindo formas mais adequadas para as plantações. Irei formar grupos de jovens para trabalhar na área em que irei me formar. E irei, de forma voluntária, dar aula para a comunidade. Sempre ressaltando a importância da preservação de nossos rios e igarapés.

https://fmclimaticas.org.br/entrevista-com-martinho-macuxi-filho-como-os-indigenas-macuxi-preservam-a-agua/ 

AGROTÓXICOS: REDE DE SUPERMERCADOS DA SUÉCIA FAZ E PEDE BIOCOTE A ALIMENTOS BRASILEIROS

DEMOROU, MAS COMEÇOU O BOICOTE A ALIMENTOS BRASILEIROS. E TOMARA QUE ISSO LEVANTE A RESPONSABILIDADE CRIMINOSA DAS EMPRESAS EUROPEIAS QUE PRODUZEM OS AGROTÓXICOS LIBERADOS CRIMINOSAMENTE NO BRASIL.

ESSA GUERRA TEM QUE SER GLOBAL, COMO É GLOBAL A REDE DE CRIMINOSOS QUE PROMOVEM O NEOLIBERALISMO RADICAL: ELES SÃO CRIMINOSOS PORQUE, COMO DECLARA O PAPA FRANCISCO, A ECONOMIA DELES MATA.

IHU, 4 DE JULHO DE 2019 

Na Suécia, uma cadeia de supermercados lançou um boicote a todos os produtos agrícolas brasileiros, em consequência dos cerca de 250 pesticidas que foram liberados no país desde a eleição de Jair Bolsonaro. Uma iniciativa que está ganhando força nas redes sociais.

A reportagem é de Alice Pouyat, publicada por We Demain, 03-07-2019. A tradução é de André Langer.

Nem café, nem manga, nem água de coco. Na Suécia, o dono da maior cadeia de supermercados ecológicos tomou uma decisão radical: no dia 3 de junho, o diretor da rede de supermercados Paradiset pediu aos seus funcionários que retirassem todos os produtos brasileiros das prateleiras. Além disso, Johannes Cullberg pede um boicote global a esses produtos, relata Novethic.
Uma iniciativa sueca que está progressivamente ganhando força, especialmente nas redes sociais, através da hashtag #boycottbrazilianfood.

E por um bom motivo: a iniciativa ocorre enquanto o governo do presidente Jair Bolsonaro aprovou, desde que assumiu em janeiro, 239 novos agrotóxicos, a maioria proibido na Europa.
Na página de uma campanha intitulada “We don’t have time” [“Não temos tempo”] o dono do supermercado escreve: “Como pai e dono, não posso aceitar essa atitude que põe em perigo a saúde da população brasileira, do meio ambiente e do nosso planeta em seu conjunto!”

Sua iniciativa encontra também um eco particular em pleno debate sobre os polêmicos acordos de livre comércio que poderiam abrir ainda mais o mercado europeu aos produtos do Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai). O Greenpeace, por sua vez, acaba de tentar bloquear o descarregamento de uma carga de soja brasileira na França...

Corrida aos pesticidas no Brasil

Assim que chegou aos ouvidos da embaixada do Brasil na Suécia, a iniciativa foi condenada por esta última, antes que a ministra da Agricultura, Teresa Cristina, denunciasse uma “campanha de difamação” na imprensa de seu país.

Mas esse contrafogo é difícil de convencer. A ministra, apelidada em seu país de “musa do veneno”, destacou-se na Câmara dos Deputados, na época em que era deputada, a favor de um projeto de lei, o pacote dos agrotóxicos, que facilita a liberação de agrotóxicos.

Os pesticidas, e especialmente o glifosato, foram amplamente difundidos no país com o desenvolvimento dos organismos geneticamente modificados (OGMs) nos anos 2000. Eles são jogados de avião sobre as plantações e, às vezes, sobre as casas vizinhas. Com a eleição do cético em clima Jair Bolsonaro para presidente, esta corrida aos pesticidas se acelerou ainda mais.
E isso acontece justo quando o país já é o maior consumidor mundial de produtos fitossanitários.

Responsabilidade europeia

Com consequências perturbadoras. Vários estudos já relatam um aumento significativo de cânceres e malformações em regiões agrícolas brasileiras. No longo prazo, esse modelo agrícola também esgota solos, ecossistemas e contribui para o desmatamento da Amazônia.

Um problema do qual o Brasil não é o único responsável: “Ele é uma vítima das grandes empresas ocidentais. Os agrotóxicos são cada vez mais proibidos nas economias desenvolvidas, por isso as indústrias estão realocando os riscos para as economias periféricas!”, denuncia a pesquisadora Aline Gurgel no Le Monde.

Para mudar a situação, o fundador do Paradiset convoca cada consumidor para imitá-lo. “Assim como nós interrompemos o apartheid há vários anos, tomando uma posição contra o governo sul-africano, podemos fazer o mesmo agora”, acredita Cullberg.

Difícil, mas a ação tem o mérito de alertar sobre essa louca disputa por agrotóxicos.

http://www.ihu.unisinos.br/590594-agrotoxicos-rede-de-supermercados-sueca-pede-boicote-para-os-alimentos-brasileiros 

LANÇADO NA EUROPA MAPA DO ENVENENAMENTO DE ALIMENTOS NO BRASIL

DÁ NISSO QUANDO AS ELITES ECONÔMICAS E POLÍTICAS GOSTAM DE MANTER O PAÍS COMO COLÔNIA.

QUANDO CONSEGUIREMOS UMA INDIGNAÇÃO E UMA REVOLTA CAPAZ DE MUDAR PROFUNDAMENTE O PODER POLÍTICO E ECONÔMICO NO BRASIL?

E NINGUÉM PODE DIZER QUE NÃO SABE. AFINAL, TEMOS ATÉ CALCULADAS AS DIFERENÇAS ENTRE O BRASIL E A EUROPA. POR AQUI, IRRESPONSABILIDADE, CRIME DE LESA HUMANIDADE.

Lançado na Europa mapa do envenenamento de alimentos no Brasil

Em exposição crônica aos agrotóxicos, brasileiro corre mais risco de morte e desenvolvimento de doenças

O atlas de envenenamento foi lançado em Berlim, Alemanha, país que sedia as maiores empresas agroquímicas do mundo: a Bayer/Monsanto (incorporada pelo grupo Bayer) e a Basf, que dominam a produção de toda a cadeia alimentar – sementes, fertilizantes e agrotóxicos – Fotomontagem: Moisés Dorado
.
.
Um ousado trabalho de geografia que mapeou o nível de envenenamento dos alimentos produzidos no Brasil foi lançado em maio, em Berlim, na Alemanha, país que contraditoriamente sedia as maiores empresas agroquímicas do mundo. Quem estava presente no lançamento do atlas Geografia do uso de agrotóxicos no Brasil e conexões com a União Europeia ficou perplexo com a informação sobre o elevado índice de resíduos agrotóxicos permitidos em alimentos, na água potável, e que, potencialmente, contamina o solo, provoca doenças e mata pessoas. A obra, que já foi publicada no Brasil, é de autoria da geógrafa Larissa Mies Bombardi, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.
O Brasil é campeão mundial no uso de pesticidas na agricultura, alternando a posição dependendo da ocasião apenas com os Estados Unidos. O feijão, a base da alimentação brasileira, tem um nível permitido de resíduo de malationa (inseticida) que é 400 vezes maior do que aquele permitido pela União Europeia; na água potável brasileira permite-se 5 mil vezes mais resíduo de glifosato (herbicida); na soja, 200 vezes mais resíduos de glifosato, de acordo com o estudo, que é rico em imagens, gráficos e infográficos. “E como se não bastasse o Brasil liderar este perverso ranking, tramita no Congresso nacional leis que flexibilizam as atuais regras para registro, produção, comercialização e utilização de agrotóxicos”, relata Larissa.
A pesquisadora explica que o lançamento do atlas na Europa se deu pelo fato de a Alemanha sediar a Bayer/Monsanto e a Basf, indústrias agroquímicas que respondem por cerca de 34% do mercado mundial de agrotóxicos. A Monsanto, recentemente incorporada ao grupo Bayer, é a líder mundial de vendas do glifosato, cujos subprodutos têm sido associados a inúmeras doenças, incluindo o câncer e o Alzheimer. “Queríamos promover discussão sobre a contradição de sediarem indústrias que controlam toda a cadeia alimentar agrícola – das sementes, agrotóxicos e fertilizantes – e serem rigorosos quanto ao uso de mais de um terço dos pesticidas que são permitidos no Brasil. Eles são corresponsáveis pelos problemas gerados à população porque vendem e exportam substâncias sabidamente perigosas, porém, proibidas em seu território”, diz.

Geógrafa Larissa Bombardi, autora da pesquisa que deu origem ao atlas da Geografia do uso de agrotóxicos no Brasil – Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

Intoxicação e suicídios

Segundo a geógrafa, as perdas não se limitam à contaminação de alimentos e dos cursos d’água. O atlas traz informações de que, depois de extensa exposição aos agrotóxicos, ocorrem também casos de mortes e suicídios associados ao contato ou à ingestão dessas substâncias.

Atlas: Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia, de Larissa Mies Bombardi – Laboratório de Geografia Agrária da FFLCH – USP, São Paulo, 2017

Entre 2007 e 2014, o Ministério da Saúde teve cerca de 25 mil ocorrências de intoxicações por agrotóxicos. O atlas mapeia as regiões mais afetadas: dos Estados brasileiros, durante o período da pesquisa, o Paraná ficou em primeiro lugar, com mais de 3.700 casos de intoxicação. São Paulo e Minas Gerais ficaram na segunda colocação, com 2 mil. Das 3.723 intoxicações registradas no Paraná, 1.631 casos eram de tentativas de suicídio, ou seja, 40% do total. Em São Paulo e Minas gerais o porcentual foi o mesmo. No Ceará, houve 1.086 casos notificados, dos quais 861 correspondiam a tentativas de suicídio, cerca de 79,2%. Os mapas de faixa etária mostram que 20% da população afetada era composta de crianças e jovens com idade até 19 anos. Segundo Larissa, no Brasil, há relação direta entre o uso de agrotóxicos e o agronegócio. Em 2015, soja, milho e cana de açúcar consumiram 72% dos pesticidas comercializados no País.
O atlas Geografia do uso de agrotóxicos no Brasil e conexões com a União Europeia, em português, foi lançado no Brasil em 2017 e traz um conjunto de mais de 150 imagens entre mapas, gráficos e infográficos que abordam a realidade do uso de agrotóxicos no Brasil e os impactos diretos deste uso no País. A pesquisa que deu origem à publicação teve o financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).
Em Berlim, o lançamento aconteceu na sede do ENSSER (European Network of Scientists for Social and Environmental Responsability), rede europeia sem fins lucrativos que reúne cientistas ativistas responsáveis ambiental e socialmente, em Glasgow, Escócia. O suporte financeiro para o lançamento do atlas na Europa foi da FFLCH e da Pró-Reitoria de Pesquisa da USP.
.
.



Entre 2000 e 2010, o Brasil aumentou em 200% o consumo de agrotóxicos. A soja foi a cultura que mais consumiu pesticidas
.


Mapa de intoxicação por agrotóxicos de uso agrícola (2007-2014)
.


Uso de malationa (inseticida) na cultura do feijão – Limite máximo de resíduos permitido no Brasil e nos países da comunidade europeia


.
Mais informações: Larissa Mies Bombardi, larissab@usp.br ou pelo telefone (11) 3091-3769. Atlas versão em portuguêsAtlas versão inglês

terça-feira, 2 de julho de 2019

SEM PRECEDENTES: O PAPA CELEBRARÁ MISSA EM SÃO PEDRO COM MIGRANTES E SOCORRISTAS


ESTA PRÁTICA DO PAPA É MAIS UM SINAL DADO AOS IRMÃOS E IRMÃS DA IGREJA CATÓLICA DE QUE OS MIGRANTES SÃO A PRESENÇA DO HOMEM CAÍDO À BEIRA DA ESTRADA, E OS SOCORRISTAS - E UM DELES É O PRÓPRIO PAPA - SÃO O SAMARITANO DOS DIAS ATUAIS. QUEM DESEJAR SABER "QUEM É O SEU PRÓXIMO?", NESTA MISSA ESTÁ ATUALIZADA A PARÁBOLA DE JESUS DE NAZARÉ.

MAS COMO NA PARÁBOLA, A MENSAGEM É UNIVERSAL, VISTO QUE JESUS NÃO DEU DETALHES DA VIDA RELIGIOSA DO SAMARITANO, E COM ISSO ANUNCIOU A TODAS AS PESSOAS, A COMEÇAR DO DOUTOR DA LEI QUE O PROVOCAVA "PARA SE JUSTIFICAR", QUE ESTÃO E ESTARÃO MUITO PERTO DE DEUS AS PESSOAS QUE PARAM, MINISTRAM OS PRIMEIROS SOCORROS POPULARES, LEVAM O CAÍDO EM SEU JUMENTO ATÉ A HOSPEDARIA, E AINDA SE COMPROMETEM A COBRIR OS GASTOS NECESSÁRIOS PARA QUE ELE SE RECUPERE. UM AVISO DESAFIADOR PARA AS PESSOAS QUE, COMO OS MEMBROS DO SISTEMA DO TEMPLO, PRIMAM PELA INDIFERENÇA EM NOME DAS SUAS TRADIÇÕES E LEIS: POR NÃO AMAREM O PRÓXIMO, MENTEM AO AFIRMAR QUE AMAM A DEUS.

IHU, 02 DE JULHO DE 2019

A celebração está marcada para a manhã de 8 de julho. Convidadas 250 pessoas.

A reportagem é de Maria Antonietta Calabrò, publicada por Huffington Post, 01-07-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

A iniciativa do Papa, comunicada na manhã desta segunda-feira pelo porta-voz interino da Sala de Imprensa do Vaticano, Alessandro Gisotti, é sem precedentes.

Na manhã da próxima segunda-feira, 8 de julho, no sexto aniversário de sua visita a Lampedusa (um dos primeiros gestos marcantes do Pontificado), Francisco celebrará uma missa para os migrantes que morreram nos últimos anos, para refugiados e para todos aqueles que estão engajados em salvar suas vidas. Ao todo, 250 pessoas convidadas pela seção Migrantes e Refugiados do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento humano integral, ao qual o Pontífice confiou a organização do evento. Como se sabe, o Papa reservou o direito de presidir diretamente esta seção da Cúria Romana (outro evento sem precedentes).

Pela lógica, entre os convidados à Missa do Papa também poderia estar a capitã Carola Rackete, do SeaWatch3, caso já estivesse livre, mesmo que respondendo processo.

Mas a coisa extraordinária que deve ser imediatamente ressaltada é que a Missa presidida por Francisco acontecerá em São Pedro, no Altar da Cátedra, o Altar central da Basílica construída sobre a Tumba daquele que foi escolhido pelo próprio Cristo como "pedra" sobre a qual edificar a sua igreja.

O Altar, conhecido em todo o mundo, dominado pelo grandioso baldaquino barroco de bronze de Bernini (uma das obras-primas da arte mundial), é um monumento encomendado por Urbano VIII na abside da basílica vaticana, para mostrar “urbi et orbi” ("Para a cidade de Roma e para o mundo") qual é o poder pastoral e magistral de Pedro e dos seus sucessores. Para honrar a autoridade que Cristo conferiu a Pedro, é chamado justamente de Altar da Cátedra ou Cadeira. E é nesse Altar que os Papas presidem os momentos litúrgicos mais importantes da vida da Igreja, como os da véspera de Natal e da Páscoa.

Celebrar ali a missa para os migrantes tem quase o significado de dizer que, nas circunstâncias históricas atuais, a causa dos migrantes deve ser considerada dentro do perímetro da definição de ser católico, por avaliação e decisão do próprio Papa.

A Igreja, exceto por algumas exceções esporádicas, "bate" em uníssono sobre esse ponto. Não só em termos gerais e abstratos, mas também em casos específicos. Como o do SeaWatch3. Tanto que no sábado à noite o cardeal Pietro Parolin declarou: "Acredito que a vida humana deve ser preservada de todas as maneiras. Esta deve ser a estrela guia que nos orienta, todo o resto é secundário”.

É fácil imaginar que poderia estar presente à missa também o médico de Lampedusa, Pietro Bartolo, eleito para o novo Parlamento Europeu como independente na lista do Partido Democrático com muitas preferências, sob a bandeira da "Democracia Solidária", uma formação cívica que remete à experiência da Comunidade de Sant'Egidio.

Bartolo em 2017 declarou: "Em mais de 25 anos de atividade de campo em Lampedusa visitei mais de 300 mil migrantes e infelizmente cheguei ao recorde mundial de um médico na inspeções de cadáveres, alguns realmente arrasadores como no caso dos corpos sem vida de mulheres grávidas e crianças".

Naturalmente Francisco não pensa apenas na Itália e no Mediterrâneo.
Data de poucos dias a foto dramática do pai e do filho afogados no Rio Grande, na fronteira entre o México e os Estados Unidos, uma foto que horrorizou o mundo inteiro e entristeceu profundamente o Papa.

"O Santo Padre" - explicou Gisotti - deseja que o dia 8 de julho seja "um momento de máximo recolhimento". Imprensa e meios de comunicação não serão permitidos na Basílica. Mas haverá um streaming ao vivo do portal do Vaticano "Vatican Media". O mundo inteiro e todos os poderosos do mundo (de Trump a Salvini) poderão ver com seus próprios olhos.

http://www.ihu.unisinos.br/590523-o-papa-celebrara-uma-missa-em-sao-pedro-para-migrantes-e-socorristas-estara-presente-tambem-a-capita-carola